Entrevista do Atitude Solidária na Rádio Cidade

Em dezembro, o Atitude Solidária esteve presente no programa Radioatividade da Rádio Cidade de Jundiaí a convite do apresentador Carlos Cunha.

A entrevista transcorreu de forma agradável e puderam ser divulgados os principais pontos do Projeto do Centro de Voluntariado de Jundiaí e região, bem como os benefícios que o Atitude Solidária irá proporcionar às comunidades de 09 municípios.

Vale lembrar que o entrevistado Marcelo Rachid de Paula (coordenador do projeto) enfatizou alguns pontos de suma importância para que o projeto seja uma realidade marcante e positiva para todos, entre eles, o cronograma de atividades previsto para dar inicio após estarem devidamente instalados e legalizados em sua sede.

  • 1º ano – ações voltadas a conhecer melhor as necessidades e atender às Organizações Sociais de Jundiaí.
  • 2º ano – ações diretas e efetivas de conscientização e implantação de áreas voluntárias em empresas da iniciativa privada e também do poder público de jundiaí e conhecimento e ações nas organizações sociais dos outros municípios envolvidos.
  • 2º ano – ações dentro das instituições de ensino, divulgando e conscientizando crianças, jovens e adultos na importância da prática solidária e voluntária como forma de exercerem a cidadania e crescimento do meio onde vivem.
  • 3º ano – todas as frentes e atividades em todos os municípios que fazem parte da região de governo de Jundiaí

Outro ponto destacado é a capacidade individual das pessoas em produzir e trabalhar em favor da solidariedade.

Todos, sem exceção!

Venha fazer parte desta grande família!

Anúncios

As inscrições para o 4º Prêmio ODM já estão abertas

As inscrições para a 4.ª edição do Prêmio ODM Brasil estão abertas até o 31 de outubro de 2011. O Prêmio ODM Brasil foi criado em 2004 pelo governo federal – por meio da Secretaria Geral da Presidência da República – pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pelo Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade (Nós Podemos).

O Prêmio tem como objetivo valorizar e reconhecer publicamente práticas sociais desenvolvidas por prefeituras e organizações da sociedade civil que contribuam com o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Os ODM foram estabelecidos em 2000 durante a reunião de Cúpula da ONU, onde líderes de 189 países assinaram um pacto para erradicar a fome e extrema miséria até 2015.

As 50 práticas finalistas receberão um certificado de participação, sendo que a comissão técnica selecionará até 20 práticas vencedoras.

Confira o regulamento do 4º Prêmio ODM nos editais.

Saiba como se inscrever no Prêmio ODM passo a passo.

Fonte: Fiepr.org

Voluntários comemoram 10 anos do programa Escreve Cartas


José, Márcia, Marília, Martha, Vilma e Zuleica têm uma coisa em comum: estão entre os 227 voluntários que atuam no Escreve Cartas, que completou 10 anos no Poupatempo no último dia 21. Presente nas unidades de Santo Amaro e Itaquera, na Capital, São Bernardo do Campo, Guarulhos e Osasco, o Programa foi criado para auxiliar os cidadãos com dificuldades em ler e escrever a se comunicarem através de missivas.

Dos mais de 264,5 mil atendimentos realizados até agora nos cinco postos Poupatempo, o destaque está nas muitas histórias que os voluntários guardam na lembrança sempre que se dispõem a emprestar as mãos para aqueles que querem colocar no papel suas angústias, tristezas, expectativas, emoções, alegrias e esperanças, além de pedidos e sonhos.

Márcia Calixto se dedica ao Escreve Cartas desde 2008, ano em que se aposentou. Em uma das cartas, enquanto a mãe era atendida por outro voluntário, a filha pediu a ela que escrevesse para um programa de TV pedindo a reforma da casa. “Disse para mim que só tinha dado desgosto para a mãe e queria que a carta fosse um pedido de perdão”. Aproveitando que a mãe estava presente, Márcia sugeriu a leitura da carta. “Li e nós três choramos no final”, lembra.

Há oito anos como voluntária, Zuleica Gestas se lembra de um pedido especial de uma criança de 7 anos no Natal. “Sabe Papai Noel, deve ser bom ganhar brinquedos no Natal, mas prefiro comer, eu e meus irmãos estamos com muita fome, quero uma cesta básica”, narra um trecho da carta e completa: “Impossível não me emocionar”.

Marília Chagas recebeu uma senhora no atendimento do Escreve Cartas, onde atua desde 2004, para ajudar sua jovem vizinha que perdeu o contato com a mãe, do interior de Pernambuco. “Ela pediu para escrever ao cartório da cidade perguntando se constava lá o óbito da mãe, porque a mesma havia deixado de responder as cartas de sua vizinha”.

Os voluntários também ajudam os apaixonados a expressarem seus sentimentos pela pessoa amada. “Um homem sempre nos procura para pedir músicas na rádio para a esposa e inclui versos de amor nas cartas”, conta José Arsenio, que ingressou no Escreve Cartas em 2009.

Também desde 2009, Vilma de Almeida acompanha várias histórias, entre elas o pedido emocionado de perdão de um sogro para a sua nora. “Pedia desculpas por ter se desentendido com ela e agradecia por ter lhe dado uma neta”.

Já Martha Siqueira se lembra de uma situação engraçada e inusitada. A carta do cidadão que gravou o 1º CD e queria se apresentar em um programa de TV era comum a outros atendimentos feitos por ela em três anos, mas o mesmo não se conformou que elas eram voluntárias e não cobravam nada pelo serviço. “Ele então ‘pagou’ cantando uma de suas músicas”.

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo